sábado, 24 de maio de 2008

Informação científica livre

.
Da série "imagine a cena": Você está trabalhando, ou na sua tese, ou na sua dissertação, ou na monografia da especialização, ou mesmo no dia-a-dia da sua pesquisa. Você vai no santo oráculo, vulgo "google", digita os termos da sua pesquisa, e aí esbarra naquele artigo científico maravilhoso (pelo menos julgando pelo título...). Clica todo contente.... e é levado para um site comercial, onde o artigo que você quer (de umas, sei lá, 10 páginas?) está A VENDA por módicos 30 ou 40 DÓLARES!!

Depois que passar a raiva, o que fazer? Sacar o cartão de crédito?

Bem, siga essa pequeniníssima dica, comigo está funcionando 95% das vezes. Pegue o título inteiro do artigo, volte a São Google, e pesquise o título, ENTRE ASPAS, assim ó:

"Geography matters: Kohonen classification of determinants of foreign direct investment in transition economies"

Garanto que você encontra numas das 3 primeiras páginas do resultado do Google ....

Salve, imprima, leia, e saboreie mais esse momento de vingança!! :-)

A propósito, aconteceu comigo uma coisa engraçada com relação a isso: Estava eu pesquisando um tema, quando encontrei um artigo que estava, como na maioria das vezes, a venda. Encontrei também o mesmo artigo citado no site da HP americana, onde dizia: "o artigo não está disponível por motivo de copyright"... Continuando a pesquisar, tive a alegria de encontrar o PDF do mesmo, inteirinho, no site da HP... da Índia!!!

Pra finalizar, deixo uma questão para reflexão: Será que Newton teve que pagar 40 dólares para poder subir nos ombros de gigantes ?

Abraços a todas e a todos!
Carlão

5 comentários:

Elton Dhiego disse...

Imagine R$ 30,00 ou U$ 30,00 de cada artigo para uma pesquisa? o dinheiro ia todo embora nessa brincadeira!!
E como sempre o google é a maior de todas, resolve todos os nossos problemas ...

Abraço!!

Ana disse...

Isso é realmente irritante! Também uso o truque do google, e quase sempre funciona.
Em último caso, descubro o email dos autores e peço cópia. As vezes rola, principalmente se for estudante de doutorado, que fica todo feliz com a perspectiva de ser citado... rsss...

Carlos José disse...

Oi Ana,
Eu mando email pros autores de cara, só que continuo procurando no google e acho antes deles me responderem.... RISOS
Recebi um dia desses um artigo que o autor gentilmente me enviou, umas 2 semanas depois que pedi... já tinha achado no google, impresso, lido, digerido, citado.... MAIS RISOS
Abraços!
Carlão

Mauricio Vieira disse...

Só um comentário: 'livre', como em 'software livre', não quer dizer "grátis", como no título da sua blogada.

Carlos José disse...

Oi Maurício!
Com certeza!
Porém... penso que as vezes para ser "livre", precisa também ser "grátis", ou pelo menos "acessível financeiramente".
Muitos artigos científicos já não são livres: o autor começa dizendo o que vai fazer, que ferramentas vai usar.... e como por mágica, mostra os resultados! Por vezes, não mostra nenhum detalhe do "caminho", da implementação.
Agora, se tivermos que pagar $40 petecas-americanas pra acessar isso, aí que a liberdade danou-se mesmo...
Veja, você encontra livros inteiros na Amazon por vezes mais baratos que 40 dólares (se olhar em sebos, como o site abebooks, mais barato ainda). Os caras querem cobrar $40 por um artigo? Por que não cobrar $1 ou $2? Aí sim, seria livre, não sendo necessaariamente grátis.
Grande abraço!
carlão